Seguro ganha atenção com LPDP
Apólices contra violação de dados deve ter grande aumento nos próximos anos, prevê Alper 24/01/2019 02:38
A Alper Consultoria em Seguros prevê um grande aumento no número de apólices de seguros contra violação de dados, nos próximos dois anos, principalmente com a proximidade da Lei de Proteção de Dados, que está prevista para entrar em vigor em 2020. Apesar de o Brasil ser o 6° país que mais sofre ataques contra dados no mundo, Fernando Cirelli, superintendente de linhas financeiras da Alper, afirma que no País há apenas cerca de 200 apólices emitidas de seguro para proteção contra violação de dados. "A quantidade é muito baixa, principalmente, porque ainda não havia uma legislação específica. Já no exterior essa modalidade é bastante comum, porque já tem uma legislação mais madura", afirma.

Segundo o executivo, apesar da legislação estar prevista para entrar em vigor apenas em 2020 no Brasil, o risco já existe para as empresas e as incidências são enormes. "Violações acontecem todos os dias, a questão é saber o tamanho dessa violação e o prejuízo, a depender do setor de atuação da empresa em que os dados foram violados", diz o gerente.

O seguro contra violação de dados protege a própria empresa e terceiros (clientes, fornecedores, empregados etc). A apólice cobre prejuízos cada vez mais recorrentes hoje nas empresas, como: custas judiciais, advogados, indenizações, notificações a clientes, lucros cessantes, gastos com investigações forenses, sanções feitas pelo Ministério Público e ações por danos morais coletivos e, até, multas impostas por agências reguladoras. "Mesmo sem a Lei ainda em vigor, que prevê as multas, hoje as empresas estão sujeitas a riscos que podem acarretar no arrolamento de processos, que podem levar longos meses e talvez anos, podendo envolver a aplicação de multas, e os valores podem chegar a R$ 50 milhões", pontua Cirelli.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
 
https://www.callcenter.inf.br/