Como anda a qualidade da sua voz?
Fonoaudióloga destaca importância de manter saúde vocal para evitar futuros problemas 16/04/2015 03:30
» Marta A. de Andrada e Silva
Falar em alta intensidade, usar fortemente a voz, falar quase até o "final do ar do pulmão", beber pouca água e usar a voz em ambientes com muito ruído são alguns dos fatores que podem acarretar alterações na voz. Isso porque a falta de cuidado com as cordas vocais, como popularmente são chamadas as pregas vocais, geralmente interfere na qualidade da voz e pode provocar limitações. A fonoaudióloga Marta Assumpção de Andrada e Silva, professora da área de voz do curso de graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, alerta que os fatores citados, somados a outras causas, podem levar a uma rouquidão, cansaço ao falar ou "ar na voz". Esses sintomas não são normais, por isso devem ser diagnosticados e tratados.

"Entre os problemas mais comuns nas pregas vocais estão os nódulos vocais, popularmente conhecidos por ´calos´, os pólipos e a fenda, que é um espaço entre as pregas vocais. Essas alterações normalmente vêm acompanhadas de sintomas como rouquidão, soprosidade ("ar" na voz) e fadiga ao falar. Se uma pessoa observa qualquer um desses sintomas por mais de 10 dias, o ideal é procurar um médico otorrinolaringologista ou um fonoaudiólogo para realizar uma avaliação. Vale lembrar que a ansiedade e/ou o estresse, muito comuns na sociedade atual, podem afetar a saúde vocal, uma vez que esses estados interferem diretamente no padrão respiratório, na articulação e consequentemente na voz", comenta a professora Marta.

Para manter a saúde vocal e evitar futuros problemas nas pregas vocais, a especialista indica alguns cuidados:

Beber bastante água: procurar beber água em pequenos goles. Esse deve ser um hábito de quem trabalha e depende da voz para isso. A fonoaudióloga indica que atores, professores, cantores e teleoperadores, principalmente, devem sempre carregar uma garrafa e fazer pausas na fala para beber água.

Manter uma alimentação saudável: manter uma alimentação equilibrada, respeitar os horários das refeições, os tipos de alimentos e mastigá-los bem. A professora ressalta que grandes intervalos entre as refeições podem provocar o refluxo laringofaríngeo e isso prejudicar as cordas vocais.

Praticar atividades físicas: manter uma rotina de exercícios físicos é essencial para o  condicionamento cardiorrespiratório e assim o  indivíduo terá mais disposição, possivelmente com melhora  da respiração, da qualidade do sono, diminuição do estresse, entre outros benefícios.

Evitar usar a voz em volume elevado: evitar usar volume de voz elevado sem necessidade, se estiver em um ambiente ruidoso ou se precisar gritar procure projetar a voz, use o apoio respiratório e articule (abra a boca).

Sono equilibrado: dormir pouco ou ter um sono de má qualidade afeta a voz, isso porque quando a pessoa não descansa o suficiente, não tem um sono reparador sua corda vocal irá ficar "pesada"  e a voz nesse caso mais grave e com pouca projeção.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

VAGAS  TMKT  CONTAX  TELLUS  URANET  AEC  NICE  ATENTO  VIDAX  CALLINK  AVAYA  TIVIT  CALL CENTER  CSU  TELEPERFORMANCE  ALMAVIVA  RANKING  VIKSTAR  SITEL  PROVIDER 
 
https://www.callcenter.inf.br/