Mudança radical, mas benéfica
Implementação da gestão horizontal demanda uma transformação cultural da empresa 04/12/2014 04:08
» Fabiana Sanches
Ciente dos ganhos proporcionados, a gestão horizontal vem despertando o interesse de empresas de todos os portes, incluindo IBM, Odebrechte, Vagas.com. Afinal, ela estimula naturalmente a inovação e propicia ainda mais o desenvolvimento e a produtividade, ao eliminar a presença de cargos hierárquicos e a burocracia excessiva. "Há um predomínio da colaboração; a comunicação é aberta e a tomada de decisão é linear e democrática. As pessoas são incentivadas a promoverem debates inteligentes. O objetivo é o consenso e a promoção de novas práticas, o que caracteriza a inovação e evolução. Outro benefício é o estabelecimento de uma forte integração", esclarece Fabiana Sanches, coach, psicóloga e consultora em gestão de pessoas.

No entanto, as empresas que pretendem ir por esse caminho devem seguir alguns passos. Primeiramente, a decisão tem que vir da cúpula. "Não adianta a sugestão ou intento partirem do RH, se a alta liderança não avalizar, apoiar, incentivar. Até porque, não é simplesmente uma proposta de mudança de comportamento, mas, sim, de cultura." Ela explica que é necessário que aconteça uma grande adequação da personalidade da empresa, já que o poder e a comunicação serão descentralizados, ao mesmo tempo em que se implantará o empoderamento (Empowerment) dos profissionais, tornando-os mais autônomos. "Contudo, é preciso avaliar se os funcionários estão preparados e maduros para essa mudança radical. É imprescindível que saibam discernir entre o que é importante, prioritário e urgente", alerta. Assim, os profissionais precisam estar dispostos a enfrentar desafios constantemente, já que não terão superiores o tempo todo para suporte. "As pessoas que produzem somente à base de pressão não são/estão adequadas ou preparadas para esse contexto. Já as autodidatas, com maneira de agir mais independente e obstinadas pelo próprio desenvolvimento, conseguem se adaptar com mais facilidade."

Trazendo a gestão horizontal para o mundo do contact center, Fabiana destaca que o modelo traz melhorias significativas dos índices de atendimento. "Se o funcionário é reconhecido como um talento agenciador de mudanças, tem maior autonomia e mais possibilidade de participar das decisões internas, o sentimento de gratidão e reciprocidade e o de empatia para com o consumidor final só podem agregar ao negócio." Porém, hoje isso ainda é difícil de colocar em prática, pois apesar da atividade de telesserviços ter se profissionalizado, ainda é encarada como transitória, como degrau na ascensão profissional. "A partir do momento em que os profissionais começarem a enxergá-la como profissão em primeira opção, talvez, seja possível o sucesso da gestão horizontal, já que o comprometimento é uma das principais competências requeridas nesse tipo de gestão", decreta.

PERFIL DOS COLABORADORES COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NECESSÁRIAS
- Comprometimento
- Autonomia de raciocínio
- Pensamento estratégico
- Excelência no relacionamento interpessoal e no trabalho em equipe
- Facilidade em transmitir e receber feedbacks dos colegas
- Autocriticidade
- Capacidade de gestão de conflitos
- Proatividade
- Resiliência
- Inovação
- Autodisciplina e Administração do tempo

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

VIKSTAR  TIVIT  FLEX  CALLINK  TELEPERFORMANCE  AVAYA  URANET  AEC  VAGAS  VIDAX  DNK  NICE  ALGAR  ALMAVIVA  RANKING  ATENTO  CONTAX  SITEL  CSU  CALL CENTER 
 
https://www.callcenter.inf.br/