De volta à humanização
Comunicação por voz aproxima empresas e clientes, além de maximizar lucros e satisfação 05/11/2020 03:38
» Leonardo Amaral
Autor: Leonardo Amaral

A tecnologia já está muito presente em nossas vidas. Cada vez mais, a IoT (internet das coisas) conecta dispositivos que fazem parte do nosso dia a dia. Diversas empresas se valem da análise maciça de dados (big data) para oferecer melhores produtos e serviços aos clientes - que, quase sempre, saem satisfeitos. A inteligência artificial automatiza processos que antes eram feitos de forma menos eficiente por humanos. Mas aceitar e abraçar a tecnologia em nossas vidas não pressupõe utilizarmos essas inovações em todas as atividades.

Por quê? Porque nem sempre ela maximiza os lucros das empresas e a satisfação do cliente.
Uma situação em que a adoção da tecnologia não é a melhor escolha é o atendimento à distância aos clientes. Cada vez mais as empresas têm utilizado softwares baseados em inteligência artificial e quem adota esse tipo de serviço pensa na redução dos custos advindos da utilização de menos pessoas.

De fato, tirar as pessoas do telefone e jogá-las no WhatsApp e, em maior escala, trocá-las por robôs, pode gerar uma economia significativa nas despesas. Mas as despesas são apenas um dado do balanço de uma empresa. Outro dado, tão ou mais relevante, são as receitas. A nossa experiência tem mostrado que a utilização de pessoas no atendimento aumenta as receitas - de uma forma mais significativa do que a redução de custos com a automatização do processo.

Resultado: lucros maiores.
As empresas que utilizam com eficiência o atendimento envolvendo pessoas têm resultados financeiros maiores do que quando utilizam sistemas automatizados. Os ganhos, relatados por elas mesmas, indicam que os retornos podem aumentar de 10% a 30% - e há casos de ganhos até cinco vezes maiores.

Um estudo publicado recentemente pela OnYou, companhia especializada em monitoramento de experiência do cliente, mostrou que, nesta quarentena, mais especificamente entre março e maio, o telefone foi o maior canal de comunicação dos clientes com as empresas: 36%, ante 21% chat on-line, 20% e-mail, 15% via WhatsApp e 7% redes sociais. Para 52% dos entrevistados, o nível de atendimento está pior do que antes.
Mas a melhoria não depende da troca de atendentes por robôs ou a ligação por voz pela troca de mensagens via WhatsApp. Minha experiência de quase 15 anos atuando com atendimento telefônico me permite saber o que as pessoas querem: ser atendidas com prontidão e verem seus problemas ou pedidos serem solucionados com rapidez.

Pense numa pessoa que tenta marcar uma consulta médica pelo WhatsApp. Ela envia uma mensagem para o smartphone da clínica perguntando sobre horários livres. Se houver outra pessoa do outro lado, a resposta pode demorar se ela estiver atendendo outro paciente. E a pessoa que queria marcar a consulta, que estava disponível num momento, dificilmente terá paciência para aguardar a resposta por muito tempo. Quando o atendente responde, ela pode estar na academia, numa reunião de trabalho ou cuidando dos filhos. E aí, quando ela finalmente lê a mensagem e responde... bom já deu para entender: marcar uma consulta por WhatsApp é uma atividade extremamente ineficiente.

"Ah, mas um chatbot está sempre disponível", alguém pode objetar. De fato. Mas experimente ir até o final na tentativa de marcar uma consulta com um robô. "Por favor, digite seu plano de saúde". A chance de o algoritmo não entender e dar problema porque a informação passada não bate com o que está cadastrado no seu sistema não é pequena. Resultado: uma chatice - e a pessoa sai sem ter resolvido seu problema.

Claro que a interação entre pessoas precisa ser marcada por simpatia, cordialidade e atenção. Num mundo cada vez mais digital, a interação humana ganha cada vez mais valor. Não é por acaso que a empatia está tão na moda.

As pessoas não querem interagir com um bot que ainda está longe de ser "inteligente", nem com uma voz robotizada que pede, de forma lenta, cadenciada: "Bem-vindo ao nosso atendimento. Por favor, digite o seu CPF, número de login e senha". Irrita, né? Mas, por outro lado, elas tampouco querem ser atendidas por uma pessoa que "estará checando a disponibilidade" de "estar resolvendo" o problema dela e peça para "aguarde um minuto, senhor (a)", "aguarde mais um momento, por favor". Ninguém aguenta.

O que as marcas precisam? De um sistema formado por pessoas que estejam sempre disponíveis e treinadas para um atendimento empático e eficaz. Até hoje, não criamos nada mais eficiente do que isso.
 
Leonardo Amaral é CEO e fundador da Secretária Virtual.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

TIVIT  AEC  TELEPERFORMANCE  VAGAS  CONTAX  VIDAX  URANET  ALMAVIVA  AVAYA  FLEX  SITEL  CSU  ATENTO  RANKING  CALLINK  CALL CENTER  VIKSTAR  ALGAR  DNK  NICE 
 
https://www.callcenter.inf.br/