Indo além do VT
Como a oferta de benefícios flexíveis aos colaboradores pode diminuir o turnover 19/02/2020 09:36
» Raphael Machioni
Autor: Raphael Machioni

Já é uma tradição aqui no Brasil. Além de oferecer bons salários e um ambiente de trabalho adequado, as empresas sabem que precisam ir além para contratar e manter os bons profissionais. No caso, significa oferecer benefícios condizentes com as tarefas e os desejos dos colaboradores. Os vales de alimentação, refeição e transporte são os exemplos mais corriqueiros. Contudo, a questão é que atualmente não basta apenas proporcionar essas vantagens para reduzir a saída de funcionários; é preciso também garantir que eles possam usufruir da melhor forma que quiserem.

As empresas brasileiras ainda têm uma grande dificuldade de reter seus talentos e evitar o turnover, expressão que representa a taxa de rotatividade de uma empresa. Em 2016, no auge da crise econômica, por exemplo, 40% das empresas brasileiras tiveram altos índices de desligamentos, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Nem mesmo quando o país estava com a economia sólida esse indicador foi positivo: entre 2012 e 2014, essa taxa foi de 82%, segundo a consultoria Robert Half - a média global era de apenas 38%.

Os dados reforçam que o salário e uma possível estabilidade não servem mais como os principais ganchos para recrutar novos colaboradores. Em um cenário de intensa competitividade e grande especialização entre os profissionais, as empresas precisam se tornar mais atrativas. Foi-se o tempo em que elas ditavam as regras na hora da contratação - agora o poder está nas mãos dos trabalhadores, os quais sabem que podem encontrar algo que lhes agradem em outro lugar. Essa é uma realidade comum a diferentes setores e segmentos.

Além de contratarem melhor, as organizações precisam traçar planos que evitem a saída de colaboradores que já estão em seu quadro - a redução do índice de turnover também depende dessa capacidade. Dessa forma, é necessário respeitar as "tribos" que se formam no dia a dia da companhia. O grupo de funcionários que, por afinidade, gosta de almoçar junto ou trabalhar nos mesmos projetos representa uma importante comunidade reunida naturalmente e que espera ser respeitada em seu trabalho. Quando essa relação está em harmonia, o negócio tende a crescer.

É nesse ponto que entra a oferta de vantagens da empresa. Para atingir os dois objetivos listados, é necessário oferecer benefícios flexíveis, ou seja, que dão liberdade para os profissionais gastarem como quiserem. A empresa pode fornecer um auxílio-creche, por exemplo, mas se um colaborador não tiver filhos, ele não consegue usufruir desse recurso. Com a flexibilidade, todo o dinheiro é depositado em uma conta única, que permite à pessoa utilizar de acordo com seu perfil e seus objetivos. Essa tática é vital por possibilitar que o trabalhador fique mais motivado ao perceber que a empresa entende suas necessidades. Assim, ele não só consegue produzir mais, como pensará duas vezes antes de trocar de emprego se tiver essa possibilidade.

A entrada da tecnologia em diferentes setores automatizou processos e permitiu que o conceito de experiência do consumidor fosse mais bem trabalhado pelas empresas, possibilitando o surgimento de serviços personalizados e eficientes. Agora é o momento de levar essa ideia também ao público interno. É preciso valorizar os profissionais que trabalham para a companhia e, principalmente, entender seus anseios e motivações. Quando o empresário consegue oferecer aquilo que seus empregados mais desejam, o ambiente fica mais saudável para todos e o negócio está pronto para crescer.

Raphael Machioni é sócio fundador da Vee.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

CSU  AEC  SITEL  CALL CENTER  ALMAVIVA  URANET  FLEX  TELLUS  VIKSTAR  TMKT  CONTAX  CALLINK  AVAYA  TELEPERFORMANCE  TIVIT  ATENTO  NICE  RANKING  VIDAX  VAGAS 
 
https://www.callcenter.inf.br/