Equação fundamental
A importância do lado humano em uma era cada vez mais digital 06/02/2020 10:11
» Tiago Alves
Autor: Tiago Alves

Vivemos em uma era conectada na qual a tecnologia consegue executar trabalhos de humanos - exemplo disso são os caixas de self checkout encontrados em alguns supermercados. A maioria dos profissionais chega até mesmo a sentir medo dessas evoluções tecnológicas. De acordo com um levantamento da MIT Sloan School of Managent, uma das faculdades do Massachusetts Institute of Technology, quase 90% dos gerentes e executivos acreditam que o avanço da tecnologia colocaria seus postos em risco. À medida que a tecnologia avança, tornam-se cada vez mais frequentes as discussões sobre os benefícios e as desvantagens de se viver em um mundo conectado.

Para evitar que um possível cenário negativo se torne realidade no mundo corporativo, é necessário aliar o desenvolvimento digital à força de trabalho manual. Uma das tarefas mais relevantes dos líderes de hoje é saber associar o desenvolvimento digital à força de trabalho humana e, mais do que isso, conseguir obter os melhores resultados desta equação. E quando falamos em resultados, um dos principais indicadores que devemos acompanhar, medir e atuar para melhorar é o engajamento dos funcionários. Como? Ouvindo esses profissionais.

A natureza do trabalho está mudando e o profissional atual busca se adaptar a esta transformação da melhor maneira possível - buscando, em primeiro lugar, seu bem-estar. Como consequência, as empresas também precisam se adaptar a esse novo panorama - ou acabarão ficando para trás.

Essa renovação permite que os funcionários tenham mais flexibilidade no trabalho, podendo trabalhar de onde quer que estejam -- por meio de dispositivos móveis, da nuvem e softwares colaborativos para executar suas tarefas diárias e reuniões. Dados de um levantamento recente da IWG, maior grupo de escritórios compartilhados do mundo, coletados em 80 países revelam que 83% dos executivos escolheriam um emprego com alguma flexibilidade a outro que não ofereça nenhuma iniciativa neste sentido.

Apesar da preferência da maioria dos entrevistados, no Brasil, 69% desses relatam que mudar uma cultura de trabalho não flexível representa um obstáculo. Mais da metade dos funcionários e líderes ouvidos consideram o fator "trabalho flexível" mais importante do que estar em uma grande empresa. Além disso, quase um terço (32%) avalia que escolher o local de trabalho é mais relevante do que ter um cargo de prestígio. Ou seja, o foco é usar a tecnologia para valorizar os talentos de sua empresa.

A partir daí, surge outra palavra-chave, essencial para o fortalecimento do senso de pertencimento em uma corporação: proximidade. De acordo com a mesma pesquisa, no Brasil, 76% dos executivos alegaram usar medidas de flexibilidade para reduzir o deslocamento dos colaboradores, mas não é apenas a questão física que pode ser usado como diferencial. Aqui o grande desafio é evitar que a flexibilidade crie distanciamento entre as pessoas. A convivência do gestor com o funcionário e, até mesmo do funcionário com outros é fundamental. Isso possibilita maior reconhecimento das conquistas, melhor compreensão das dificuldades de cada um e facilita na busca por soluções com mais empatia e compreensão.

Por isso, é importante garantir que, ainda que tenhamos toda essa tecnologia disponível, a equipe se encontre e interaja pessoalmente. Com toda infraestrutura tecnológica e segura para a operação de uma empresa, os ambientes flexíveis de trabalho são pensados de modo a imprimir mais dinamismo nas relações humanas e a incentivar o networking e a troca de experiencias, evitando assim o isolamento típico de profissionais que fazem home office, por exemplo. De acordo com 80% dos respondentes da pesquisa realizada pela IWG, a adoção de um espaço de trabalho flexível reflete no aumento da produtividade e na melhora no desempenho dos negócios. Essa proximidade interpessoal, e até mesmo física, faz com que problemas sejam evitados e permite com que os funcionários troquem conhecimentos entre si, trazendo ganhos para toda a equipe.

Tiago Alves é CEO do IWG, grupo detentor das marcas Regus e Spaces no Brasil.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

TMKT  AEC  SITEL  CSU  ATENTO  CONTAX  VIKSTAR  VAGAS  URANET  CALL CENTER  TIVIT  TELEPERFORMANCE  NICE  RANKING  ALMAVIVA  VIDAX  CALLINK  AVAYA  TELLUS  FLEX 
 
https://www.callcenter.inf.br/