A cultura de inovação como perfil pessoal
Novos conceitos passaram a reger as gerações mais novas na questão profissional 29/07/2019 10:21
» Rafael Ribeiro
Autor: Rafael Ribeiro

O mercado nacional vem passando por uma significativa mudança de mindset. Se antes, o desejo comum era trabalhar em busca de estabilidade financeira e sonhar com uma carreira sólida e duradoura em uma única empresa, esses pensamentos já não representam mais os anseios dos jovens ao entrar no mercado.

Mais do que só salário, a composição de propósito, ambiente e aprendizado passou a ser alguns dos novos conceitos que regem essa geração na questão profissional. Dessa forma, a estabilidade dá lugar a liberdade criativa, a carreira para as profissões informais e novos cargos multidisciplinares surgem ganhando cada vez mais adeptos. É uma revolução que aconteceu silenciosamente, ganhou espaço e hoje, com o universo das startups, estabeleceu-se como nova ambição.

A mudança veio para ficar, e aconteceu em encontro com uma mudança vista nas relações de trabalho ao longo dos anos - desde os tempos da Revolução Industrial até os dias de hoje, pós Revolução Tecnológica. Vivemos na era das conexões, no qual estamos online o tempo todo derrubando as barreiras físicas. O profissional, hoje, não trabalha mais só para ganhar dinheiro (agora visto como consequência): seu propósito atual tem a ver com o que sua função está servindo, e mais importante, se esse mesmo propósito é compartilhado pela empresa e pelo time. O conceito, que ganhou força, é a vontade de se sentir parte do negócio e não parte da engrenagem. De conseguir enxergar o real impacto da sua função dentro da empresa.

O desejo não é exclusivo dos profissionais - é uma mudança de conceito que também chegou nas empresas. As grandes corporações, principalmente aquelas atreladas a tecnologia, já entendem e aplicam essa nova dinâmica em sua cultura organizacional. Google, Facebook, Amazon, são alguns dos exemplos que adotam o propósito compartilhado, e oferecem uma organização horizontal e transparente, para que do estagiário ao CEO, todos participem dos processos e consigam enxergar o impacto real do seu trabalho. Mesmo porque, dentro da cultura de startup e inovação, ao contrário do mundo corporativo, é preciso estar aberto a aprender coisas novas sempre, de todas as áreas possíveis e com todas as pessoas ao redor. E errar, aceitá-lo, e aprender com esse erro o mais rápido possível em busca da solução. Afinal, essa é a essência de tudo: startups nascem para solucionar problemas. O conhecimento dentro dessa área é mutável a todo momento, e é preciso estar por dentro das tendências.

Nesse cenário, empreender deixou de ser alternativa há muito tempo - é uma realidade quando jovens não encontram esse caminho nas grandes empresas. É uma escolha, e deve ser guiada pelo seu propósito de vida, pelo o caminho onde o profissional quer chegar. Agora é o momento de transformar ideias em negócios e fazer desse negócio, carreira. Seja abrindo uma startup ou trabalhando em uma para aprender com quem já têm experiência, conhecer as dores, os processos e entender como funcionam por dentro.

Ao corporativismo: esteja atento e adapte-se. A mudança é positiva, e não vai retroceder!

Rafael Ribeiro é sócio fundador das startups Weblinia e Monsterjoy, além de diretor executivo da Associação Brasileira de Startups (Abstartups).

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

CONTAX  TMKT  TELEPERFORMANCE  URANET  CALLINK  CALL CENTER  AVAYA  ATENTO  CSU  VIKSTAR  FLEX  TIVIT  NICE  RANKING  VIDAX  AEC  SITEL  VAGAS  TELLUS  ALMAVIVA 
 
https://www.callcenter.inf.br/