Agilidade é o caminho para a inovação
Organização de sucesso precisa criar uma cultura que torne o pensamento criativo sistemático 24/05/2019 10:13
» Miguel Fernandes
Autor: Miguel Fernandes

Inovação sistemática. Parece um paradoxo à primeira vista. Porque a inovação não costuma se desenvolver facilmente com abordagens sistemáticas, e essas abordagens raramente produzem inovação. Resolver esta aparente contradição é o grande desafio produtivo do nosso tempo.

Na era da agilidade, uma organização de sucesso precisa criar ambientes, redes, equipes, metodologias e práticas que tornem o pensamento criativo sistemático, afinal, ele é o fator chave da inovação.

O conceito baseia-se em uma longa história de mudanças na gestão dos negócios, começando e evoluindo nos Estados Unidos ao longo dos últimos cem anos, abrangendo várias épocas. Kevin Fann, no livro Growing Up Fast: How New Agile Practices Can Move Marketing And Innovation Past The Old Business Stalemates, enumera as seguintes eras predecessoras da que vivemos hoje: a Era da Eficiência, a Era do Social e a Era do Acionista. Assim, chegando à Era da Agilidade.

A Era da Eficiência focava na engenharia dos processos, linhas de produção, mecanização industrial pesada. Já a Era do Social foi de grande prosperidade e esperança, em um mecanismo coletivo que consolida reformas sociais. A Era do Acionista começou com a desregulação econômica na década de 1980, na qual os negócios americanos passaram por um período de aumento de grandes disparidades de renda entre os profissionais.

Por fim, a Era da Agilidade representa então uma espécie de combinação de todas as anteriores. Ela é marcada por uma crescente necessidade de inovação sistemática e promove redes sobre hierarquias e criatividade sobre padronização.

À medida que chegamos ao fim da Era do Acionista, duas palavras começam a ganhar destaque: liderança e inovação. Os entusiastas ainda se apegam ao preço das ações. É ele que orienta suas decisões. Sabem se estão certos ou errados de acordo com a oscilação das cotações. É um número objetivo, diretamente mensurável. É difícil mudar essa cultura.

No entanto, não param de aparecer publicações e estudos falando sobre a importância da liderança e da inovação para o sucesso das empresas. Esses valores estão, segundo esses estudos, acima do preço das ações. O valor de uma empresa está subordinado à sua capacidade de inovar e formar lideranças fortes. Alguns têm a visão de que a gestão "ágil" já se tornou um mero clichê: algo que todo mundo diz que usa, só para parecer moderno. Não é bem assim.

Por definição, o gerenciamento ágil mantém um espaço seguro para que a inovação aconteça. Ele promove a criatividade e a intuição humana para além do cálculo analítico, embora de alguma forma conduzido por este. "Ágil" é um processo, não um slogan.

Ao longo dos últimos cem anos, vimos como a gestão profissional de negócios contribuiu para a redução das taxas de pobreza, para o aumento da produção de alimentos e da qualidade de vida média. No entanto, como Walter Kiechel III escreve em The Management Century, há grandes desafios à frente, desafios que as descobertas da Era do Acionista não são capazes de resolver.

Como vamos criar empregos qualificados para todos? Como vamos nos adaptar às mudanças ambientais? Como lidaremos com a mudança constante? Como maximizar retornos em um mundo no qual não há "uma melhor maneira" de fazer as coisas? Como conciliar a satisfação dos trabalhadores, o lucro e a responsabilidade social das empresas?

Essas são perguntas que assolam a Era Ágil e que cada vez mais precisaremos discutir e buscar soluções.

Miguel Fernandes é co-fundador e diretor de produtos da Witseed.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

SITEL  VAGAS  TMKT  CALL CENTER  VIDAX  CALLINK  ATENTO  TIVIT  NICE  RANKING  ALMAVIVA  AEC  VIKSTAR  PROVIDER  CONTAX  AVAYA  URANET  TELEPERFORMANCE  TELLUS  CSU 
 
https://www.callcenter.inf.br/