Cultura do feedback
O que a geração millennials espera de seu gestor 18/01/2019 10:25
» Fabio Bier
Autor: Fabio Bier

Hoje temos uma geração que é inquieta e está sempre em busca de novos aprendizados e de conquistar uma posição de confiança no trabalho, obtendo destaque e valorização. Entre as principais competências da geração millennials, a capacidade de absorver novas informações e a flexibilidade para adaptar-se às mudanças são, talvez, as mais marcantes e também mais valiosas para os negócios.

Diante desse cenário e das novas exigências do mercado, todo líder deveria oferecer aos seus colaboradores a oportunidade de saber como a organização percebe seu trabalho, para que entendam suas fortalezas e oportunidades de melhoria na posição que ocupam. É nesse contexto que se destaca o valioso feedback, ponto de partida para qualquer atividade de desenvolvimento de habilidades e competências, que encoraja o colaborador a buscar o desenvolvimento profissional.

O feedback deve ser frequente para que se possa trabalhar em ajustes constantes, em sessões curtas, estruturadas, mas sem excessiva formalidade, direto ao ponto, com respeito, e sempre pautada em fatos: ações e respectivas consequências. É bom lembrar que a autenticidade de um millennial é muito importante. Falar de detalhes do comportamento pode ser ofensivo e desagradável, portanto faça isso apenas quando é realmente muito relevante.

Independentemente da utilização de ferramentas de apoio ou até mesmo de um índice de previsibilidade comportamental, conhecer o colaborador é fundamental, perguntar desde o início de sua história na equipe como ele prefere ser abordado é elementar para um feedback construtivo. Nas sessões de feedback, conte detalhes do que o ocorreu e qual foi o resultado da ação, depois associe o feedforward - decidam juntos qual é o plano de ação para seguir em frente.

Mas o que a geração millenials espera de seu gestor? Liberdade para ser autêntico no trabalho, assim como é em qualquer outro lugar. Estar alinhado com cultura, visão, políticas e processos, não apenas de sua área de atuação, mas de toda a organização. Ter clareza sobre as metas e deadlines e poder trabalhar sem interrupções, follow-ups excessivos ou reuniões longas.

A pesquisa "2018 Deloitte Millennial Survey", aplicada a mais de 10 mil profissionais dessa geração em mais de 30 países (incluindo emergentes e desenvolvidos) mostra que esse grupo, mesmo sendo reconhecido pela supervalorização de tecnologias, entende majoritariamente que a tecnologia os liberta de tarefas repetitivas para que possam usar mais seu "toque pessoal" na realização do trabalho. Assim, é importante que a gestão seja por resultados, respeitando os impulsos comportamentais predominantes, sem julgamento das características individuais para realização do trabalho.

Em suma, para inspirar colaboradores dentro da organização e incentivá-los, o sentimento de pertencer é fundamental. As pessoas gostam de estar informadas. Se conhecem a estratégia da empresa, se entendem os desafios do negócio, se sabem quais são as metas organizacionais e como contribuir individualmente para alcançá-las, é natural que se sintam engajadas e inspiradas a contribuir. É necessário ser transparente - evitar promessas e planos de carreira inatingíveis, metas individuais incompatíveis com as recompensas disponíveis. Todas as posições são importantes em uma organização, e para que as pessoas se sintam felizes em ocupá-las é necessário que entendam a cadeia de geração de valor e como contribuem para o resultado de toda a organização.

Fabio Bier é gerente de RH da Husqvarna para América Latina.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

TMKT  TIVIT  VIDAX  ALMAVIVA  AEC  VIKSTAR  URANET  CSU  AVAYA  VAGAS  SITEL  CALLINK  ATENTO  NICE  CALL CENTER  TELLUS  CONTAX  TELEPERFORMANCE  FLEX  RANKING 
 
https://www.callcenter.inf.br/