Cinco desafios estratégicos de RH no cenário disruptivo
Inovação está também na forma de conduzir os negócios, ou seja, com as pessoas e sobre como elas se organizam 15/01/2019 10:24
» Miguel Monzu
Autor: Miguel Monzu

Segundo estudo realizado pela Deloitte em colaboração com o MIT, cerca de 80% dos CEOs estão preocupados com a possibilidade de que um fator disruptivo de origem modifique as suas operações ou modelos empresariais. Fica claro que esse cenário não se limita à eficiência ou a uma tecnologia para fazer tarefas com mais velocidade: a verdadeira inovação disruptiva impacta a organização inteira.

Empresas consideradas mais disruptivas não são inovadoras apenas quanto à tecnologia. A inovação está também na forma de conduzir os negócios, ou seja, com as pessoas e sobre como elas se organizam. Ser uma organização disruptiva nada mais é do que gerenciar as pessoas de uma organização.

Diante desse cenário, quais seriam os desafios estratégicos do RH como principal responsável por gerenciar as pessoas? O primeiro é ser coautor da estratégia. O gestor deve ser capaz de criar o próprio plano de negócios de modo que possa discuti-lo tanto com o presidente como para se impor perante aos acionistas. Desse modo, este gestor torna-se imprescindível.

Com isso, nos voltamos a um dos pilares de qualquer organização: a principal matéria prima é a pessoa. O RH deve não apenas zelar pelo patrimônio humano como, principalmente, passar a ser coautor das estratégias da empresa. Deve ter papel inclusivo na estratégia e na transformação da companhia.

O segundo desafio é conduzir o processo de aceleração da formação de líderes em todas as áreas da empresa e não apenas nas áreas-chave. O RH tem o papel de criar propósito, formar líderes que inspiram pelos valores e superam a diversidade.

Um terceiro desafio estratégico é criar uma cultura de inovação que leva a mudanças. Esse aspecto representa, inclusive, uma mudança no mindset nos profissionais da área. Assim, ser inovador ao RH é estabelecer, dentre suas metas, indicadores como aumento de receita, redução de custos, mitigação de riscos e aceleração de retorno.

Nosso quarto desafio está em preparar a força de trabalho para o mundo 4.0. Quando se fala de inovação, é também inevitável não se pensar em tecnologia e em ambiente digital. O papel do RH é preparar a força de trabalho para o mundo 4.0, humanizando a transformação digital na empresa.

Por fim, o quinto desafio estratégico do RH é atuar nos canais de distribuição e fornecedores. Para se tornar efetivamente protagonista das mudanças e transformações nas companhias, entretanto, é necessário abrir mão de conceitos pré-estabelecidos, como o de que o RH só trabalha para a folha de pagamento. O patrimônio humano é muito mais amplo e o RH deve trabalhar em todos os canais, como distribuição, revendas e fornecedores.

Diante de cenários cada vez mais disruptivos, o papel do RH é ser o curador e criador de significado para as tecnologias, usando-as para aperfeiçoar a experiência do funcionário no trabalho, o que é, primordialmente, nossa maior responsabilidade.

Miguel Monzu é vice-presidente da Fesa Group.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

RANKING  CSU  CALL CENTER  VIDAX  ALMAVIVA  TELLUS  URANET  TELEPERFORMANCE  VAGAS  ATENTO  NICE  PROVIDER  TIVIT  VIKSTAR  CALLINK  AVAYA  SITEL  CONTAX  AEC  TMKT 
 
https://www.callcenter.inf.br/