Cotas ineficientes
A falta de preparo e a exclusão dos deficientes no mercado de trabalho 25/11/2014 07:05
» Ricardo Pereira Guimarães
Autor: Ricardo Pereira de Freitas Guimarães

Recente pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) com o Banco Nacional de Empregos, Isocial e Catho, questionou 2.949 profissionais do setor e revelou que 81% dos recrutadores contratam pessoas com deficiência "para cumprir a lei". Apenas 4% declararam fazê-lo por "acreditar no potencial" e 12% o fazem "independente de cota". Esses dados são o reflexo de um dos grandes gargalos trabalhistas brasileiros atuais e apenas atesta que a simples inclusão de portadores de necessidades especiais no mercado de trabalho, sem um estudo e trabalho específico, tem como resultado sua total exclusão.

O cumprimento de cotas pela iniciativa privada não significa inclusão. Atualmente, é quase impossível que as empresas consigam cumprir as cotas estabelecidas por lei, pois é realizada sem a preocupação adequada por parte do Estado quanto à adequação (habilitação e reabilitação) do deficiente ao exercício da função e ao novo mundo do trabalho. A atual Lei de Cotas (Lei 8.213/1991) obriga as empresas com cem ou mais empregados a preencher de 2% a 5% dos seus cargos com portadores de deficiência. Com o novo projeto, essa obrigação passaria a ser instituída para empresas com mais de 30 empregados e amplia o percentual máximo para 8%, em vez dos 5% atuais.

Levando em conta as estatísticas federais, o cenário é mais preocupante.  De acordo com estudo do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho e Emprego, até setembro de 2014, havia 358.738 pessoas com deficiência contratadas. No ano anterior, o registro era de 357.797 profissionais. Segundo o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil há cerca de 46 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, o equivalente a 24% da população. Ou seja, existe um grande universo de portadores de necessidades especiais sem acesso ao mercado de trabalho.

Os principais fatores para a exclusão destes brasileiros do mercado de trabalho são a falta de uma política de reabilitação e qualificação dos deficientes, além das barreiras sociais cotidianas de acessibilidade. Essas dificuldades acabam tornado o profissional um incapaz, impossibilitado de viver integrado ao meio de ambiente laboral em virtude de uma deficiência física, mental ou sensorial.

De acordo com a pesquisa da ABRH Nacional, cerca de 50% declararam já terem entrevistado pessoas com deficiência. No entanto, destes, 56% afirmaram não se sentir bem preparados para tal função, o que, para a ABRH, representa uma fragilidade do processo de inclusão. O estudo também revelou que 65% dos gestores possuem resistência em entrevistar e/ou contratar pessoas com deficiência. Essa marginalização social em relação aos portadores de deficiência se manifesta na dificuldade em participar do processo produtivo da sociedade, pois não lhe é acessível o direito à educação e à profissionalização.

Entre os direitos fundamentais dos brasileiros, encontramos a defesa da dignidade da pessoa humana e dos valores sociais do trabalho, ambos destacados na Constituição Federal. Nesses princípios fundamentais está prevista a inclusão do portador de necessidades especiais no mercado de trabalho. Isso porque o trabalho é livre, desde que atendidas às qualificações profissionais estabelecidas pela lei, ou seja, a própria liberdade de trabalhar pode encontrar limites na qualificação da pessoa.

Talvez fosse interessante observar a postura quanto à inclusão de deficientes em outros países, como Espanha, França e Alemanha. Na Alemanha existem incentivos especiais para a contratação, como incentivos fiscais para as empresas que cumpram cotas e contribuição para um fundo destinado à habilitação e reabilitação. Já na Espanha, há incentivos fiscais e subsídios para o cumprimento das cotas. Destaca-se a permissão às empresas do não cumprimento de cotas, desde que não haja mão-de-obra disponível, o que é bem adequado à realidade brasileira.

É importante a sociedade refletir e reconhecer que o objetivo de cumprimento de cotas é fundamental. E mais do que isso: é urgente pensar em soluções imediatas para inclusão, reintegração e qualificação dos deficientes. Isso deve fazer parte de uma política ampla, pois os dados recentes revelam que só debater as cotas isoladamente não resolverá o problema. O que acontecerá será a perpetuação da posição adotada hoje pelos principais atores: de um lado o Estado que cobra o cumprimento de cotas, e de outro lado a empresa sustentando a inviabilidade do cumprimento.

Ricardo Pereira de Freitas Guimarães é sócio do escritório Freitas Guimarães Advogados Associados.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

CONTAX  TIVIT  NICE  ALGAR  RANKING  CSU  FLEX  VIDAX  URANET  AEC  ATENTO  VIKSTAR  AVAYA  CALL CENTER  SITEL  ALMAVIVA  DNK  VAGAS  CALLINK  TELEPERFORMANCE 
 
https://www.callcenter.inf.br/