Co-criação de valor
A força das pequenas com a importância das grandes 31/08/2012 05:51
» Onófrio Notarnicola Filho
Autor: Onófrio Notarnicola Filho
 
De olho no mercado, a busca desenfreada pelos indicadores financeiros e demais outros que venham refletir as tendências do nosso mercado e dos mercados futuros internacionais, fazendo a leitura dos indicadores e/ou comentários dos analistas da FGV, encontramos a desaceleração ou redução no crescimento da nossa economia, frente às pressões da velha economia por seus também paradoxos e atropelos. Como o Brasil passou a ter "pernas próprias", pelo menos no seu reconhecimento mundial, frente às expectativas do empresariado brasileiro, que através da sua grande disposição ao risco e inovação, despontam a ganhos de "virada". E neste momento, as médias e pequenas empresas instaladas no Brasil, segundo os dados do Sebrae, são responsáveis por mais de 60% dos empregos celetistas e paradoxalmente com 20% do PIB brasileiro, se compararmos com os mercados da Europa, onde a participação no PIB para alguns países, podem chegar a cifras superiores aos 60%.
 
Entendemos que o mercado brasileiro tem uma grande oportunidade de crescimento para as empresas nacionais que poderão participar de uma forma mais agressiva em outras cadeias produtivas de valor em outros mercados, como o governo e outros setores da economia, mesmo com os novos competidores: entrantes e das empresas transnacionais, além do momento internacional, em processos de redução de investimentos, mas todos voltados para o Brasil, como uma grande opção em mitigar os seus riscos operacionais e rentabilidades futuras.
 
O mercado classificado pelo Sebrae, para as empresas, quanto ao seu porte, determina como pequenas empresas, estas que tenham entre 10 e 49 empregados e as médias- entre 50 e 99 empregados, essencialmente para o setores do comércio e serviços. As empresas analisadas do setor de call center: I9 Contact Center; In House; Proxis; Pluris Midia e Centrix, são consideradas pelo mercado de call Center como pequenas empresas, tem no seu contexto organizacional o verdadeiro DNA das empresas de médio para grande porte! Se consideramos os indicadores do Sebrae, têm a quantidade média de empregados de 300 funcionários, entre 300 e 1.000 PA's e faturamentos  reais e auditados entre R$ 5 milhões e R$ 40 milhões/a.a, e algumas delas, com projeções de crescimentos acima de 35% para 2012, comemorando ainda os resultados mais otimistas em 2011- para também algumas destas empresas, os seus excepcionais resultados, acima dos 55% , com base em 2010. Considerando em seu principal foco o grande desafio em trabalhar o setor de serviços, onde "o serviço é algo intangível, que se consome ao mesmo tempo em que é produzido". E a sua medição fica por conta da diferença nos contratos de níveis de serviços, medindo a qualidade do compromisso acordado com o cliente e a sua efetiva entrega.
 
Com a complexidade de ofertas de serviços, não necessariamente resultará na melhor experiência de consumo!
 
Os avanços em todas as frentes das tecnologias, não somente da informação, como a biotecnologia e inteligência artificial, somente como exemplos, trazendo a convergência tecnológica, estão de alguma forma bloqueando e não criando, muitas vezes, novas oportunidades em nosso mercado, favorecendo a novos entrantes, não tradicionais com novas ofertas customizadas em serviços para este novo mercado. Temos que entender, portanto, que não somente os seus principais gestores deste específico setor deverão ter a preocupação com os indicadores também tradicionais que venham refletir: custos operacionais, eficiência da operação, ofertas de produtos mais completos e qualidade nos processos. Estas organizações devem e muitas já estão a frente trabalhando "Hands On", buscando novas estratégias com o uso da inovação e muita criatividade nos negócios. Muitas destas organizações trabalham na oferta de serviços de "boutiques", verdadeiros trabalhos "Taylormade" ou mesmo "Prêt à Porter", em resumo, sob medida.
 
Os valores praticados são adequados a uma experiência superior, sentida e falada pelo cliente em seus depoimentos, onde os custos e margens operacionais não se apresentam como indicadores principais na oferta de serviços. Recentemente, em trabalhos de pesquisa e estudo de caso de uma empresa de call center (offshore), elaborados por uma equipe de professores da EAESP-FGV,  foi identificada a preferência pelo sotaque dos brasileiros quando em conversações na língua inglesa, em contrapartida aos nossos vizinhos latinos, somados a outros detalhes dos agentes deste mesmo call center, que sistematicamente são elogiados pela sua alta flexibilidade em muitas vezes, não cumprindo com as regras dos manuais e procedimentos da operação.
 
O brasileiro com seu notório "jeitinho", deixa muitas vezes os tradicionais procedimentos e recria formas no atendimento e resolve de um jeito surpreendente as demandas de suporte e atenção aos clientes. Neste momento, milhões de consumidores têm acesso a informações de forma constante, compartilhando estas mesmas informações em verdadeiras redes, desconstruindo os modelos tradicionais de ofertas de serviços, representados em verdadeiros desafios para o novo. Os clientes são verdadeiros sócios nas ofertas de serviços, eles ditam o que querem, sob medida. Estamos diante de um novo modelo mental! O "gap" entre as expectativas ou novas demandas dos clientes e a percepção do serviço que foi entregue, este é o espaço deixado pelas grandes empresas, e é neste gap que as pequenas se tornam grandes.
 
Perguntar sempre, ouvir sempre o cliente é algo que parece ser de extrema importância!
 
As pequenas empresas de call center ofertam o novo? Estão de verdade praticando a co-criação defendida pelo autor, C.K. Prahalad, que escreveu o polêmico estudo "A Riqueza na Base da Pirâmide e o Futuro da Competição". Tratando do referido gap das expectativas, fazendo estas organizações trabalharem neste grande espaço, mostrando competências e formas de operar para nichos bem específicos em nosso mercado. Estas também sofreriam os impactos com as mudanças das grandes operadoras, nos seus processos de mudanças estratégicas? Contratando novos executivos e reinventando as suas operações? Para onde vão estas empresas? Independentemente da falta muitas vezes de apoio dos governos e da infraestrutura básica, além dos novos arranjos organizacionais que são fatores que definem a sua competitividade, diante do mercado globalizado.
 
Onófrio Notarnicola Filho é consultor empresarial e professor da EAESP-FGV para as disciplinas de Novos Modelos de Empresas, Administração e Visão de Futuro, CRM e BI e Administração de TI.
 
Referências:
C.K Prahalad e Venkatram Ramaswamy. O Futuro da Competição. Ed.Campus,2004.

Di SERIO, L.C; VASCONCELLOS, M.A.Estratégia e Competitividade Empresarial: Inovação e Criação de Valor. São Paulo. Ed.Saraiva, 2009.

Maria Cecilia C. A.,Onófrio Notarnicola F. e Nádia Vernes A. da EAESP-FGV.Rev. Bras de Casos de Ensino em Administração . ISSN 2179-135X. RAE 2010.

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

ATENTO  TIVIT  AVAYA  VAGAS  AEC  RANKING  VIKSTAR  ALGAR  FLEX  VIDAX  URANET  DNK  ALMAVIVA  NICE  CSU  CALL CENTER  SITEL  TELEPERFORMANCE  CONTAX  CALLINK 
 
https://www.callcenter.inf.br/