Apenas o Headhunter basta?
Os processos para um bom processo de recrutamento 28/09/2011 03:39
» Sergio Sabino
Autor: Sergio Sabino 

O headhunter, aquela figura responsável por atrair os talentos para seus clientes e conduzir os processos de recrutamento e seleção sempre tiveram uma aura diferente. Excelente trajetória profissional, boa capacidade de julgamento, perfil pessoal diferenciado e fluência em idiomas estão entre suas principais características. São pessoas muito assediadas, sempre ocupadas na tarefa de unir as expectativas da empresa e as aspirações do candidato. E tudo tem que sair de maneira perfeita. 

Assim como todo executivo, o headhunter também possui diretrizes de trabalho, uma agenda cheia de compromissos e metas a cumprir. Metas de qualidade, assertividade e agilidade em seus processos e, por que não, metas financeiras? Afinal de contas, este negócio colabora e muito para que as companhias tenham acesso aos talentos de forma rápida e ágil, sem a necessidade de montar grandes estruturas próprias de recrutamento.

Mas, para que o show seja impecável, o headhunter não trabalha sozinho. Para que o processo de recrutamento e seleção funcione de maneira perfeita, muita gente acompanha e trabalha em torno do profissional de seleção para garantir a excelência na qualidade do serviço. 

O processo começa muito antes das entrevistas. Um trabalho robusto de atração de candidatos é fundamental. Não é incomum termos vagas com mais de 1.000 candidatos!  E isso cresce a cada dia.

O headhunter deve ter a capacidade de escolher o melhor entre os melhores. E isso só é possível quando conseguimos construir canais de comunicação com nossos candidatos. Uma estrutura capaz de atrair, identificar e organizar os perfis é fundamental para garantir correção, rapidez e imparcialidade no processo. 

A capacidade de entrevistar todas estas pessoas também é fundamental. Uma estrutura operacional para garantir o sigilo e o conforto dos candidatos é muito importante para a reputação de uma empresa de recrutamento. 

Por fim, o feedback. Muitas vezes, o feedback pode demorar, em virtude dos processos, que variam muito. Mas ele é um direito do candidato. E deve ser encarado como um presente, uma chance inigualável de crescer e se aperfeiçoar.  

Para resumir, o trabalho do headhunter em teoria é simples: Basta oferecer o candidato ideal ao perfil solicitado pelo seu cliente. 

Mas não é tão simples assim.

Para isso, é importante sempre avaliar a empresas de recrutamento especializado. Faça algumas perguntas simples antes de contratá-las: 

 Qual o tamanho de sua estrutura de atendimento ao cliente e aos candidatos?
 Terei suporte satisfatório em todo o Brasil caso necessite?
 Qual a capacidade que ela tem de atrair candidatos através de sua própria estrutura e ferramentas?
 Sua marca é conhecida e confiável no mercado?
 Qual a reputação e histórico de seus diretores? Procure conhecê-la.
 A sua equipe está capacitada para garantir a qualidade necessária? 
 Conseguirei os candidatos certos nos prazos que preciso?

São pequenas, mas importantes aspectos a se considerar na escolha de uma empresa, que vai prestar um serviço extremamente importante para a vida da sua empresa. 

Lembre-se: quando você contrata um headhunter, ele passa a ser a porta de sua empresa para muitos candidatos. Não corra riscos. Este trabalho exige conhecimento do mercado, dinamismo, reputação e, principalmente, estrutura.

Sergio Sabino é Diretor de Marketing da Michael Page para a América Latina

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin

Palavras mais procuradas

VIKSTAR  NICE  TIVIT  CALL CENTER  FLEX  TELLUS  CSU  ALMAVIVA  ATENTO  AVAYA  TELEPERFORMANCE  SITEL  CONTAX  VIDAX  RANKING  CALLINK  URANET  VAGAS  TMKT  AEC 
 
https://www.callcenter.inf.br/